Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, escrevo.

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, escrevo.

30 Dez, 2021

Eu perdoo-me

V de Viver

sunset-699126_960_720.jpg

É o penúltimo dia do ano e após dois dias com duas situações diferentes em que me sinto uma merda no que diz respeito ao meu trabalho fico a pensar: o que é que eu tenho que aprender com isto?

Sinto-me ridícula. E acho que é essa sensação de ridículo e de desadequação que me faz sentir com o coração tão apertado. Uma espécie de ansiedade, uma vibração bem baixa que me aperta o peito e me faz sentir verdadeiramente mal. Uma dor que chega a ser física. 

Quero deixar isto em 2021.

Quero escrever para limpar a mente porque não quero voltar a pensar nisto. No quão ridícula fui. Na quantidade de vezes que me senti ridícula na vida. 

Portanto escrevo agora para me perdoar.

Eu perdoo-me por todos os erros do passado.

Eu perdoo-me por todas as vezes que agi sem pensar (como ontem à noite).

Eu perdoo-me por todas as vezes que fiz ou deixei de fazer algo que me fez sentir ridícula.

Eu perdoo-me por nem sempre saber como agir profissional e pessoalmente.

Eu perdoo-me por ter feito coisas das quais não me orgulho e que não gostava que me fizessem a mim.

Eu perdoo-me por todas as vezes em que não soube colocar limites.

Eu perdoo-me por todas as vezes que fiz coisas que não queria fazer. Por todas as vezes que disse sim quando queria dizer não.

Eu perdoo-me por todas as vezes que me deixei para trás.

Eu perdoo-me por todas as vezes que me senti burra. Fiz sempre o melhor que consegui, o melhor que sabia.

Eu perdoo-me por ter confiado em pessoas que não mereciam. Por confiar rápido demais, por não saber ver, de verdade, o interior de certas pessoas.

Eu perdoo-me por me ter deixado enganar. Por me ter entregue a pessoas que não mereciam, ter confiado, ter partilhado parte de mim e da minha vida.

Eu perdoo-me por nem sempre ter feito as escolhas certas, na altura pareciam ser as devidas.

Eu perdoo-me por ter magoado alguém e por me ter magoado a mim.

Eu perdoo-me por nem sempre ser tão inteligente quanto devia. Pelas vezes em que não coloquei em prática aquilo que sei, aquilo que digo aos outros.

Eu perdoo-me pelas falhas. Pelas desistências. Pelas mudanças de rota inesperadas.

Nem sempre fui a pessoa que quero ser. Nem sempre agi com a calma que deveria. Nem sempre pensei com clareza antes de agir (como ontem). Fiz figura de ridícula e ninguém gosta de se sentir ridículo. Mas eu perdoo-me por isso. Fiz sempre, este ano e em todos os outros, aquilo que me parecia mais correto. Agi sempre com o coração e talvez isso não tenha sido bom.

Mas perdoo-me porque fiz sempre, sempre, aquilo que me pareceu mais correto. 

Eu perdoo-me por me sentir uma falhada, por todas as vezes que me senti uma merda. Perdoo-me porque eu não sou uma merda. Sou um ser humano. E erro, falho, engano-me e, sim, faço figura de ridícula às vezes. Mas perdoo-me porque faço sempre o melhor que consigo. 

Esta é a única certeza que tenho: não sou perfeita mas sou sempre eu mesma.

 

PS: já passou. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.