Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, escrevo.

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, escrevo.

30 Jan, 2022

Persistentemente

V de Viver

alex-boyd-ooYSnqW-QGk-unsplash.jpg

Sinto o passado às voltas na minha cabeça.

Acordada ou a dormir sou perseguida por lembranças que teimam em ficar.

Um dia li que a vida é como uma ponte enorme. Que caminhamos nessa ponte sempre com alguém ao nosso lado, mas não é sempre a mesma pessoa. Duas pessoas. Dentre aquelas que caminharam comigo. Duas pessoas completamente diferentes. Cada uma delas, à sua maneira, fizeram-me sentir especial. 

Sonho com um, sonho com o outro. Noite sim, noite não. Sonho a dormir. Sonho acordada. Assomam-se-me à memória enquanto leio uma passagem de um livro, ou quando vejo uma qualquer cena de um filme. De supetão. Chegam sem avisar e instalam-se na minha cabeça como se tivessem prostrados no sofá da casa deles. Confortáveis. Amáveis e cheios de sorrisos. Trazem com eles apenas as boas memórias de momentos felizes. Tocam-me a pele enquanto envolvem os meus cabelos nos dedos. Cada um ao seu jeito. Mas eles não estão aqui. Mas estão. Há muito que partiram, mas estão aqui. A toda a hora. Um selvagem, rebelde. Meu. Tão meu. Ilusão. Nunca me pertenceu. Mas está aqui. Permanece aqui. Partiu, seguiu a vida dele. Mas continua em mim. Gravado em mim. Cada um deles à sua maneira. Um tempo vasto separa as duas histórias. Mas ambas continuam tão presentes em mim. É apenas uma fase, talvez seja a solidão. Talvez. O outro carinhoso, doce. A pessoa que mais carinho me deu, embora se revelasse a história mais curta da minha existência até hoje. Digo até hoje porque não sei o dia de amanhã. E também antes destas histórias eu achava que nunca as teria. Mas não sabemos. Nunca sabemos. Mas foi ele, com certeza, que me ensinou que mereço alguém que me trate bem. Ele, em contra-relógio, como se tivesse passado apenas para me provar que nada, nem ninguém, é por acaso. Que é verdade que todas as pessoas nos podem ensinar algo, que ninguém vem em vão. Aqui andam eles. Às voltas na minha cabeça. Chegam sem qualquer aviso, num cheiro, num som, num carro ou mota que passa na rua, no trânsito que não pára. Tal como a vida, que não pára. Mas eles pararam. Pararam e ficaram. Teimam em não querer sair de dentro de mim. Como fantasmas que se recusam a abandonar o sitio onde foram felizes. Chegam, instalam-se sem autorização e podem levar um dia inteiro a ir e vir dos meus pensamentos. 

Se existem pessoas que nos marcam a alma para sempre estas são duas das que marcaram a minha. Completamente diferentes. Um doce o outro amargo. Um quente o outro frio. Mas ambos passageiros. Como de resto todos nós somos neste vida. 

 

Fotografia: @alex_boyd

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.