Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, apenas escrever.

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, apenas escrever.

04
Jul20

No último suspiro


V de Viver

75b4621adc97ce26f736df8b591ce653.jpg(Imagem:  Pinterest)

 

No último suspiro
 

É no último suspiro que se apaga a vida;

Rompe-se o cordão de luz que o corpo supria;

Fecha-se a porta ao corpo, abre-se a da partida;

Rasga-se o véu que os portais da morte encobria.


Verás num segundo toda a cena da vida:

Quanto inúteis são os poderes e vaidades.

Se não impedem o espírito da partida;

Se são vis às leis de Deus e suas verdades.


Que as quimeras findam em frívolas lodosas,

Absorvidas pela fome da terra fria.

Deságuam do sangue, as taças cheias gloriosas,

E escurece o tesouro que outrora luzia.


Verás que a vida fora uma página breve,

E que escreveste com os teus suores, vapores.

Quantos castelos edificados de neve.

Se esqueceste de amar, foram bens sem valores.


E terás que deixar todo o ouro decadente,

Pois só se leva o que cabe no coração.

Os bens estão em si mesmo, na alma luzente,

Pois os bens do mundo ficam poentos no chão.


Que página escreves? Quais tesouros apinhas?

O que transborda, o teu cofre ou teu coração?

Que seja rumo à luz, a estrada em que caminhas,

E a página seja uma história de ascensão.

 

José Luiz da Luz, À Luz da Poesia

02
Jun20

Passei o Dia Ouvindo o que o Mar Dizia

António Botto


V de Viver

IMG_20200602_113515_743.jpg

 

Eu hontem passei o dia
Ouvindo o que o mar dizia.

Chorámos, rimos, cantámos.

Fallou-me do seu destino,
Do seu fado...

Depois, para se alegrar,
Ergueu-se, e bailando, e rindo,
Poz-se a cantar
Um canto molhádo e lindo.

O seu halito perfuma,
E o seu perfume faz mal!

Deserto de aguas sem fim.

Ó sepultura da minha raça
Quando me guardas a mim?...

Elle afastou-se calado;
Eu afastei-me mais triste,
Mais doente, mais cansado...

Ao longe o Sol na agonia
De rôxo as aguas tingia.

«Voz do mar, mysteriosa;
Voz do amôr e da verdade!
- Ó voz moribunda e dôce
Da minha grande Saudade!
Voz amarga de quem fica,
Trémula voz de quem parte...»
. . . . . . . . . . . . . . . .

E os poetas a cantar
São echos da voz do mar!

António Botto, in 'Canções'

Quem é a V?

Coisas que se disseram por aqui

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Procure à vontade...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.