Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, escrevo.

Coisas que eu [não te] disse

Tudo o que não consigo dizer, escrevo.

V de Viver

74156309_403038597007040_8957017883351711744_n.jpg

(Imagem Pinterest)

Dou por mim a pensar em tudo o que já me aconteceu. Não falo dos acontecimentos deste ano, ou dos últimos anos. Falo daquilo que me aconteceu no decorrer da minha existência. Refiro-me às lutas, às vitórias, às derrotas, aos dias tristes e aos dias felizes. À família onde nasci, às escolas por onde passei, aos amigos, aos amores e desamores. Falo de tudo aquilo que nos molda. Tudo aquilo que nos faz sermos, exactamente, como somos. Com os nossos defeitos, os nossos traumas, as nossas qualidades. Dos acontecimentos que nos levaram a ser pessoas carrancudas ou pessoas risonhas. Que determinaram se seríamos mais simpáticos ou menos. Que nos transformaram em pessoas com tendência a sermos mais ciumentas, desconfiadas, solitárias, ou pelo contrário, pessoas mais abertas, que confiam em tudo e todos e que odeiam estar sozinhas.

E é neste ponto que me dou conta que tudo o que aconteceu na minha vida foi, exactamente, o que devia ter acontecido.

Tudo o que me aconteceu trouxe-me onde estou fez-me ser quem sou. Mas acredito que foram, principalmente, as coisas menos boas que determinaram onde estou e em quem me tornei.

Parem um minuto e olhem para o vosso interior. Não foi em todas as situações em que ficaram mais desconfortáveis que vocês perceberam que tinham que mudar a vossa realidade? Se não passássemos por essas situações que nos levaram ao desconforto extremo, que nos fizeram chorar até ficar sem lágrimas, que nos tiraram o ar. O chão. Que nos levaram a pensar que não tínhamos saída, que estávamos no fundo do poço. Se não fosse aquele abanão que nos obrigou a sair de onde estávamos jamais teríamos parado. E por não pararmos jamais teríamos olhado para dentro de nós. E por não termos olhado para dentro de nós jamais teríamos saído da nossa zona de conforto. Foi nas nossas descidas ao fundo do poço que questionámos a nossa experiência e a nossa existência. Foi aí que mudámos o nosso rumo para chegarmos onde estamos. Para sermos quem somos e fazermos o que fazemos. Sejamos gratos por isso.

Provavelmente vamos descer mais vezes ao fundo do poço. E está tudo bem. Vamos ter sempre força para sair. E seguir.

Devem ter reparado que falei no plural, e eu não sou ninguém para falar por vocês. Esta é, apenas, a minha maneira de ver as coisas. A vossa pode ser diferente. E  estamos corretos de igual forma. Porque a minha realidade é, com certeza, diferente da vossa.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.